31/12/2008

03/12/2008

hoje senti-me assim...


"Cuts you up"

I find you in the morning
After dreams of distant signs
You pour yourself over me
Like the sun through the blinds
You lift me up
And get me out
Keep me walking
But never shout
Hold the secret close
I hear you say

You know the way
It throws about
It takes you in
And spits you out
It spits you out
When you desire
To conquer it
To feel you're higher
To follow it
You must be clean
With mistakes
That you do mean
Move the heart
Switch the pace
Look for what seems out of place

On and on it goes
Calling like a distant wind
Through the zero hour we'll walk
Cut the thick and break the thin
No sound to break no moment clear
When all the doubts are crystal clear
Crashing hard into the secret wind

You know the way
It twists and turns
Changing colour
Spinning yarns
You know the way
It leaves you dry
It cuts you up
It takes you high
You know the way
It's painted gold
Is it honey
Is it gold
You know the way
It throws about
It takes you in
And spits you out
You know the way
It throws about
It takes you in
And spits you out
It spits you out
When you desire
To conquer it
To feel you're higher
To follow it
You must be clean
With mistakes
That you do mean
Move the heart
Switch the pace
Look for what
Seems out of place

It's o.k.
It goes this way
The line is thin
It twists away
Cuts you up
It throws about
Keep me walking
But never shout.

de um grande senhor (Peter Murphy)

Estive a tocá-la para recordar...faz doer os dedos mas sabe bem...

26/11/2008

capitão romance

1,2,3

Nao vou procurar quem espero
Se o que eu quero é navegar
Pelo tamanho das ondas
Conto nao voltar

Parto rumo à Primavera
Que em meu fundo se escondeu
Esqueco tudo do que eu sou capaz
Hoje o mar sou eu

Esperam-me ondas que persistem
Nunca param de bater
Esperam-me homens que resistem
Antes de morrer

Por querer mais do que a vida
Sou a sombra do que eu sou
E ao fim nao toquei nem nada
Do que em mim tocou

Eu vi,mas nao agarrei
Eu vi,mas nao agarrei

Parto rumo à maravilha
Rumo à dor que houver p'ra vir
Se eu encontrar uma ilha
Paro p'ra sentir

E dar sentido à viagem
A sentir que eu sou capaz
Se o meu peito diz "Coragem!"
Volto a partir em paz

Eu vi,mas nao agarrei
Eu vi,mas nao agarrei

Eu vi,mas nao agarrei
Eu vi,mas nao agarrei

Ornatos Violeta

18/09/2008

tão pouco... não ser indiferente

pedras sujas por esse chão, relembram
caminhos sombrios traçados e caminhados
nas bestas que se elevam,
e onde mil trompetas tocam a sorte,
que não é mais que o torpor da mente,
e a vil vontade de se ser sem fazer, ou sem doer...
ser indiferente!
mil trompetas tocam
e levam-nos por ali... acorrentados!
amordaçado e de olhos vendados...
seria esse o tratado! Indiferente...

mas voltei às pedras sujas do chão...
corri sobre elas, arrastado pelo trovão
e mil trompetas tocam novamente,
e sangram os ouvidos por não querer ouvir
e sangram a mente por não ceder, às bestas,
que agora ao longe se detêm, derrotadas
pois a sorte já não soma a tão esperada...indiferença.

agora se sou é por fazer, apesar de doer...
e já não olho as pedras sujas da calçada,
erguendo os olhos às nuvens.

ao fundo já se ouvem as harpas...

Será que a nossa ascendência é italiana?

Vejam este link e comentem, pois para mim "no comments"...

http://tcc.itc.it/people/rocchi/fun/europe.html

Agora digam lá se não tenho razão para tal questão do título, tal é a similariedade com os nossos magnânimos costumes?

Cumps

02/09/2008

temos de ser...

temos de ser tolos e saltar dois metros de altura comendo laranjas,

temos de contornar passeios ao contrário, de verter água por copos furados,

tudo menos andar de olhos fechados, com futuros inacabados;

temos de correr de costas e de costas olhar o chão,

pois o céu é azul, não fosse estarmos no verão...

29/08/2008

e se faltar?

Faltam-me ecos…nos becos!
Faltam-me gritos…um dia foram bonitos!
Faltam-me braços…que a um mundo se agarrem!
Faltam-me pernas…que de andar já estou gasto!
Faltam-me ideias…tantas cores a trazer dissabores!
Mas palavras nunca me faltam…pois com elas reponho a ordem!

blá blá blá...

blá blá blá
blá blá blá
blá blá blá
blá blá blá
blá blá blá...

este murmurinho banal
que se encontra por aí e tal
cansa-me!

blá blá blá
blá blá blá
blá blá blá
blá blá blá
blá blá blá...

tudo é tão superficial
vago como este verão...
aborrece-me!

blá blá bláblá blá bláblá blá bláblá blá bláblá blá blá...

será que somos assim tão poucos,
que aos olhos dos outros, seremos apenas loucos?

blá blá bláblá blá bláblá blá bláblá blá bláblá blá blá...

virei-lhes as costas e fugi do vento...
por muito que me tente, faz doer a mente...
e isto é demente, somente...

blá blá bláblá blá bláblá blá bláblá blá bláblá blá blá...

03/05/2008

pensamento do dia...

Perguntaram ao Dalai Lama:

“O que mais o surpreende na Humanidade?”


Ele respondeu:

“Os homens…porque perdem a saúde para juntar dinheiro, depois perdem o dinheiro para recuperar a saúde.


E por pensarem ansiosamente no futuro, esquecem-se do presente de tal forma que acabam por não viver nem o presente nem o futuro. Vivem como se nunca fossem morrer…e morrem como se nunca tivessem vivido.”


28/04/2008

uma semente...



Se houvesse uma semente

Que eu pudesse semear

Eu fazia um canteiro

No melhor do meu jardim

Protegia-o da geada

Dava-lhe o sol a beijar

Tratava do meu canteiro

Como se fosse de mim

E se a flor tivesse as cores

E os reflexos da tua voz

Se tivesse o mesmo cheiro

E o porte que já te vi

Acreditas que eu teria

Plantada no meu jardim

Pintada na minha alma

Se não te posso ter-te a ti

Se houvesse uma semente

Que eu pudesse semear

Eu fazia um canteiro

No melhor do meu jardim

Protegia-o da geada

Dava-lhe o sol a beijar

Tratava do meu canteiro

Como se fosse de mim

E se a flor tivesse as cores

E os reflexos da tua voz

Se tivesse o mesmo cheiro

E o porte que já te vi

Acreditas que eu teria

Plantada no meu jardim

Pintada na minha alma

Se não te posso ter-te a ti


Uma semente, Luis Portugal

pé ante pé

pé ante pé...
silêncio...ninguém pode ouvir...
estou lá para te lembrar(!!),
mas tenho de ser rápido.
o tempo urge e eu não o posso criar.
mas de saudades também não hei-de morrer.
aqui fica a pista para nos entreter
e de alguma forma reviver
o jogo que é fogo e que faz renascer...

24/03/2008

...e na explanada parei, e apreciei...

parado...
sentido...
por ti tocado!
enfim, sentir
o sabor da alegria
de sempre sabermos!
palavras minhas são curtas...
tamanho é o movimento que desencadeias

http://aexplanada.blogs.sapo.pt/26475.html

O (meu) poema do Homem só (Cartas a um Desconhecido II)

Um Homem sozinho
Caminha sem rumo…
Ele é sonho e esperança…
Desespero e solidão…
O Homem sozinho…
Caminha…
Em busca do segredo da vida
Do caminho do Universo…
Do regaço… do aconchego…
O Homem…
Sozinho…
Caminha…
Atravessa sombras, derruba fantasmas…
Procura o início eterno… onde tudo é luz e etéreo…
Um Homem sozinho
Caminha sem rumo…
Conquista sonhos, perde-se em encruzilhadas…
Reencontra-se… volta a perder-se…
No rumo do Caminho, o Homem…
Sabe…
Que o sonho faz parte do Caminho…
… E que não está sozinho…!!!

Tartaruga

02/02/2008

teia

teço na teia
tecendo uma ideia
sonhando lentamente...
ao longe na areia,
uma imagem que semeia,
uma ilusão que se desencadeia
num turbilhão em apneia!
mas foi sem eira nem beira
que corri pela aldeia
direitinho à minha esteira
para poder desenhar com cuidado
no meu caderno avermelhado,
aquela simples ideia...
que teci na minha teia...

16/01/2008

somente sinto...

plim...plim...
a goteira não esquece...
lá fora o vento uiva, qual filme de terror
e as sombras permanecem,
muitas vezes escondidas em nós.
percorro com a mente o caminho
e arrepio a história,
por vezes sem glória,
mas que nos identifica na memória.
parei algures, por sentir imenso prazer
mas não identifico, somente sinto...
esta imensa caminhada
dá-nos sono, e vontade de ficar
parados num banco de jardim
mas não será uma antecipação do fim?!?!
como no filme de terror?...